5 Primeiros Passos para a Fertilização in Vitro
Quero Ser Pai

5 Primeiros Passos para a Fertilização in Vitro

Já não é de hoje que tratamos sobre as dificuldades quando o assunto é ter um bebê através do processo de Fertilização in Vitro seja para homossexuais ou heterossexuais. Além dos quesitos burocráticos e financeiros, ainda existem os preconceitos sociais. Aliás quando um casal hetero assume uma infertilidade e opta pela Reprodução Assistida, tudo é bem visto. Mas quando um casal homossexual decide traçar o mesmo caminho, é extremamente constrangida pelas opniões e os “achismos” sociais. 

Muitos casais gays desistem da FIV por estes motivos, ou porque infelizmente não sabem por onde começar, já que as informações são bem raras e quando existem viram tabu. Vamos falar sobre isso?

Conheça os primeiros passos para uma Fertilização de sucesso! 

  • 1. Realize uma Pesquisa sobre a FIV: Em todos os casos, se munir de informações é sempre a melhor opção. Aqui no Blog 2 Papais sempre trazemos conteúdos sobre este tema ou no Instagram você pode acompanhar mais de perto. Além disso, as principais dicas para você que está passando ou deseja passar por este processo está em nosso canal do Youtube. 
  • 2. Conheça seus Direitos: A Fertilização in Vitro para Gays no Brasil virou um tabu, mas é possível sim. É importante entender seus direitos, ter um advogado a seu favor pode ser uma vantagem. 
  • 3. Clínicas Conceituadas: Sempre opte por especialistas na área, pois não é um procedimento simples. As clínicas que te darão suporte e realizarão a FIV, devem ser conceituadas e bem faladas por quem já realizou algum tipo de procedimento. Procure os melhores profissionais!
  • 4. Converse com um Médico: Nada como o cara a cara! Agende uma visita com um Médico de sua confiança e tire suas dúvidas mais íntimas sobre o procedimento. Além de te informar, ele pode indicar especialistas e clínicas de sucesso. 
  • 5. Planejamento Financeiro: O procedimento de Fertilização in Vitro exige investimento, pois além de ser um processo minucioso, pede profissionais renomados e empresas conceituadas com o propósito de dar tudo certo. Fora que podem haver imprevistos e você precisa estar preparado. 

Se você tem o sonho de ter um filho, não desista pela falta de informação ou pelo medo. Quer uma dica? Comece pelo “Sim”! Aceite este desejo sem temê-lo e dê o primeiro passo. De degrau em degrau, aos poucos tudo vai fazendo mais sentido, pois a Fertilização in Vitro é uma jornada de experiências, amor e muito conhecimento rumo a paternidade.

maio 15, 2022
Andre Tonanni
Autor do blog, Tonanni é empresário do mercado de eventos, artista, cantor e pianista. Dedica seu tempo livre à família e a encorajar casais LGBT+ a seguirem o caminho da paternidade Instagram: @tonanni e @2papais
Fertilização in Vitro pode Falhar?
Quero Ser Pai

Fertilização in Vitro pode Falhar?

O processo de Fertilização in Vitro ajuda e ajudou muitas famílias a se consolidarem, principalmente na homoafetividade, o que é considerado um sucesso na ciência e um benefício para toda a sociedade. 

Entretanto, existem alguns fatores que podem ser prejudiciais para o procedimento, causando complicações no momento da Fertilização. Dentre essas causas, maioria está correlacionada a hábitos de saúde irregulares adquiridos pelos envolvidos no processo. 

Uma falha na FIV é comprovada através da ausência de uma gravidez após o procedimento, ou por uma gravidez mal sucedida durante o período gestacional, como em casos de aborto espontâneo, por exemplo.  

Essas falhas podem ocorrer por motivos relacionados a saúde dos futuros pais, das futuras mães ou doadoras dos óvulos, da barriga solidária, ou, em último caso, da equipe médica. Mas o que pode acontecer? 

  • A) Baixa quantidade/qualidade de Óvulos: Além de ter boas quantidades, é necessário que os óvulos estejam saudáveis para serem transferidos ao útero e potencializar as chances da gravidez. 
  • B) Endométrio Despreparado: Para que o embrião consiga se fixar no útero, é importante que o tecido endometrial esteja pronto para receber o embrião. 
  • C) Falhas Uterinas ou Tubárias: É possível que o embrião não consiga se desenvolver se houver patologias, diagnosticadas ou não, no útero ou nas tubas. 
  • D) Alterações Genéticas: Se o embrião não tiver uma carga genética normal e sem alterações no decorrer do desenvolvimento, ele não conseguirá ser implantado, ou seja, a mulher não engravidará.
  • E) Baixa quantidade/qualidade de Espermatozóides: Assim como os óvulos, os espermatozóides devem ser muitos e saudáveis para que haja a gravidez.   
  • F) Falhas na Transferência: Após todo o procedimento para desenvolver o embrião, se este não for transferido corretamente para o útero, não há chances de gravidez.

Ao realizar a Fertilização in Vitro é importante ter em mente que embora as chances sejam altas, não são 100% seguras de uma gravidez rápida. Por isso, é ideal confiar em uma agência especializada no processo e em uma equipe médica que saiba o que está fazendo, orientando os interessados na FIV a todo momento. Além disso, ter a ciência da saúde em dia é essencial para todos os envolvidos.

maio 15, 2022
Andre Tonanni
Autor do blog, Tonanni é empresário do mercado de eventos, artista, cantor e pianista. Dedica seu tempo livre à família e a encorajar casais LGBT+ a seguirem o caminho da paternidade Instagram: @tonanni e @2papais
Reprodução Assistida para Gays – Conceitos e Técnicas
Quero Ser Pai

Reprodução Assistida para Gays – Conceitos e Técnicas

A Reprodução Assistida se trata do conjunto de técnicas cientificamente desenvolvidas, para auxiliar casais a engravidar através de métodos laboratoriais. Foi estudada e aplicada, devido a grande necessidade dos casais com limitações, como com doenças, infertilidade, dificuldade para engravidar, entre outros. 

Recentemente, casais homoafetivos vêm procurando a ciência para aumentarem a família e a boa notícia é que sim, é permitido e legalizado no Brasil.

Existem muitas técnicas de Reprodução Assistida, a mais convencional é a FIV (Fertilização in Vitro), que se trata da manipulação do embriologista de espermatozóides em contato com óvulos por meio de incubadora, ou ICSI (Injeção Intracitoplasmática de Espermatozóides), quando o espermatozóide é injetado vivo no óvulo feminino. Ambos os procedimentos induzem a fertilização de forma “natural”, mas utilizam procedimentos laboratoriais para facilitar o processo. 

Já a Inseminação Artificial, embora pareça semelhante, tem suas peculiaridades, pois consiste no processo de Reprodução Assistida laboratorial cuja os espermas são preparados para serem introduzidos no útero feminino. Neste caso, a mulher é estimulada a produzir óvulos por meio de hormonios, enquanto o sêmem é colhido no dia da fertilização e selecionado com base nos que têm mais chances de fecundar o óvulo. A Inseminação é realizada por meio de catéter até o útero da mulher, que fica em observação durante um tempo até estar pronta para receber alta e finalmente poder realizar seu teste de gravidez. 

Uma terceira opção, porém menos provável, é o Coito Programado, que se trata da observação e do acompanhamento do ciclo feminino por um médico, de maneira que se estabeleça os dias com maiores chances de engravidar. Muitas mulheres realizam esse processo por conta própria, mas é preciso estar atenta aos pequenos hábitos que aumentam a probabilidade da gravidez. 

Independente dos métodos utilizados para realizar o processo de Reprodução Assistida, é importante estar de olho em todas as informações e procurar clínicas especializadas nos procedimentos. 

mar 13, 2022
Andre Tonanni
Autor do blog, Tonanni é empresário do mercado de eventos, artista, cantor e pianista. Dedica seu tempo livre à família e a encorajar casais LGBT+ a seguirem o caminho da paternidade Instagram: @tonanni e @2papais
FIV – Como é a Fertilização in Vitro para Gays?
Quero Ser Pai

FIV – Como é a Fertilização in Vitro para Gays?

Um dos grandes desafios dos casais homoafetivos é constituir uma família, isso porque as possibilidades naturais são nulas, portanto a ciência acaba sendo a única saída. Dessa forma, é necessário optar por métodos atípicos, como a adoção ou a Fertilização in Vitro (FIV) para LGBTs.

Além dos preconceitos e tabus, os casais gays ou até solteiros e solteiras que desejam ser pais/mães precisam enfrentar uma série de etapas para realizar o sonho da paternidade. Os procedimentos são difíceis de serem realizados, os recursos são limitados e os investimentos muito altos. 

Embora haja um grande avanço científico em prol de métodos ceptivos para homosexuais, ainda é preciso lutar contra os empecilhos sociais, como as proibições e vetos. Já quando tratamos de adoção, existem outros impedimentos vigentes, o que complica a vida de muitos casais, sejam hetero ou homosexuais. 

Uma das opções mais complexas da Reprodução Assistida que vem sendo muito requisitada há algum tempo,  é a Fertilização in Vitro. O procedimento consiste na coleta do óvulo dentro do ovário e fertilizado com o sêmen dos papais em laboratório. Após a fertilização, os embriões são cultivados dentro de uma incubadora a 37C° por 5 dias, até que sejam transferidos ao útero da doadora solidária.

Esse método reprodutivo é difícil e requer muita paciência, principalmente de casais gays, pois além da fertilização é preciso uma Barriga Solidária, ou seja, uma mulher disposta a doar seu útero para o casal que deseja ser pai. Aos casais heterossexuais com limitações, como idade avançada ou condições genéticas, este procedimento também é uma ótima opção.

Tem dúvidas sobre esse processo? Confira no nosso vídeo sobre como gays podem ter filhos através da fertilização in vitro no Brasil

mar 13, 2022
Andre Tonanni
Autor do blog, Tonanni é empresário do mercado de eventos, artista, cantor e pianista. Dedica seu tempo livre à família e a encorajar casais LGBT+ a seguirem o caminho da paternidade Instagram: @tonanni e @2papais