Saúde Mental LGBTQIA+
Universo LGBT+

Saúde Mental LGBTQIA+

Represálias sob a construção da comunidade: um papo sincero.

#setembroamarelo

Homossexuais protestam contra perseguição sistemática promovida por policiais.
Sexualidade aumentava brutalidade das sessões de tortura durante a ditadura.
Inclusão de LGBT’s no relatório da comissão foi vista como vitória por especialistas e militantes.

Notícias como essas eram comuns em noticiários antigos, e isso nem faz tanto tempo assim. Mas, você já percebeu que ainda hoje vemos manchetes semelhantes?

Notícia de setembro de 2022.

Matérias como essa, nos faz pensar: será que estamos regredindo ou progredindo na luta por nossos direitos? A verdade é que tanto antigamente, quanto hoje, a comunidade LGBTQIA+ se divide em dois pilares.

  • Gays assumidos e que lutam por seus direitos de forma direta ou indireta.
  • E gays não assumidos, que como dizem “estão no armário”.

Infelizmente, o fato é que a comunidade gay se desenvolveu sob um regime opressor, que considerava a homossexualidade uma doença – quem nunca ouviu falar em cura gay, né? – e que recorria, literalmente, a torturas físicas sem displicência.

Existiu uma prática chamada “higienização”, que levou cerca de 1,5 mil pessoas presas por serem gays, isso somente na cidade de São Paulo, fora os casos de espancamento, extorsões e até mesmo assassinato. Ah! Ainda houveram pessoas afastadas ou demitidas de seus cargos porque “não pegava bem pra firma”. Dá para acreditar nisso?

Esses são apenas alguns motivos, pelo qual gays omitiam sua sexualidade e optavam por viver uma vida totalmente desconectada de quem realmente eram. E é pra menos? Imagina viver com medo, inseguro e sem saber o que vai acontecer se alguém descobrir que você é gay? Infelizmente essa é a realidade de muita gente até hoje…

Muitas pessoas escondem sua sexualidade por medo da aceitação da família, dos amigos, da sociedade e até de si mesmo. Foi tanto preconceito instituído, que as afirmações e rótulos sobre a comunidade LGBTQIA+ acabaram se parecendo verdade, e essas pessoas escolheram viver uma vida absolutamente teatral e fantasiosamente “confortável”.

Mas, viemos te dizer uma coisa: esse é um lugar de angústia, vulnerabilidade, dor, sofrimento e o primeiro passo para danos maiores, como a depressão e a ansiedade.

Muito se fala sobre esses dois termos, mas pouco se pratica a empatia para com as pessoas diariamente, principalmente quando falamos de gays, lésbicas, trans… O fato é que é muito fácil falar sobre saúde mental, mas parece difícil praticá-la em si e em prol dos outros.

Por isso, vamos falar sobre alguns termos extremamente ofensivos em uma conversa com uma pessoa gay:

“Não precisa andar de mãos dadas”

“Ah! Mas eu também não gosto de ver casais héteros se beijando”

“Você é gay? Deve entender muito de moda, né?”

“Quem é a mulher da relação”

“Vocês são só amigos?”

“Ah! Mas andar na rua está perigoso pra todo mundo…”

Bem, vamos lá! Tudo isso não passa de preconceito e estereótipo. Mas, entendemos que muitas pessoas têm pensamentos preconceituosos porque foram instituídos de maneira implícita pela sociedade, e assumem um comportamento sem a real intenção de ofender. Ok! Mas ofende. E só quem já passou por momentos desagradáveis como os citados acima, entende a carga que esses comentários têm sobre a vida de quem é gay.

E cá entre nós! O processo em que vivemos hoje, é a construção de um novo diálogo mútuo, então à medida que a comunidade gay luta para exercer seus direitos, quem está do outro lado deve ter o mínimo de interesse para estudar, procurar entender e deixar de ser desagradável em circunstâncias como essas.

Ei, hétero! Vamos exercer a empatia?

Busque se colocar no lugar do outro:

“Eu cresci envolto por uma sociedade que simplesmente odeia quem eu sou, minha forma de vestir, falar, pensar e amar. Por medo de ser rejeitado, eu optei por não contar para ninguém quem eu realmente sou e prefiro fingir que sou como qualquer outro, àqueles considerados “normais”. No local onde eu trabalho/estudo, é comum ouvir alguém ser coagido pelo fato de ser gay, por isso, acredito que a melhor saída é levar uma vida “comum” e evitar falar sobre este assunto.”

Viu como não é fácil? Então, pra quê complicar a vida de alguém com ideias e pensamentos nitidamente errados? Vamos ser mais empáticos e acolhedores!

Setembro amarelo:

É um mês para falar sobre saúde mental, e achamos importante ressaltar que a saúde mental é necessária para TODOS.

Para finalizar nosso papo, separamos um trecho de uma música muito famosa para ressaltar que “Gay também é gente”.

Abra sua mente

Gay também é gente

Baiano fala oxente

E come vatapá

Você pode ser gótico

Ser punk ou skinhead

Tem gay que é Mohamed

Tentando camuflar

Faça bem a barba

Arranque seu bigode

Gaúcho também pode

Não tem que disfarçar

(Mamonas Assassinas)

set 08, 2022
Andre Tonanni
Autor do blog, Tonanni é empresário do mercado de eventos, artista, cantor e pianista. Dedica seu tempo livre à família e a encorajar casais LGBT+ a seguirem o caminho da paternidade Instagram: @tonanni e @2papais
Deixe um Comentário
Preencha os campos abaixo. Seu email não será divulgado.